O grande galanteador

Eu o admiro muito.
Ele teve opotunidades incríveis, aproveitou todas e nunca deixou-se adaptar. Hoje, conversamos sobre anos 1960/70, música, política e religião. Ele é uma grande influência. O que mais gosto são seus conselhos. Entre eles, o grande galanteador atenta para a satisfação dos meus desejos, que segundo ele, é um direito meu e uma obrigação. Ele fala que eu preciso ter uma casa (isso ja sei que esta mais que na hora), com jardim e filhos, o fato dos "filhos" não quer dizer "casamento". Ele lamentou eu não ter ido para São Luís, que seria uma ótima oportunidade de conhecer algo novo e me falou que eu devo viajar sempre, nada é impossível com planejamento.
Amar, amar pra valer. Mesmo correndo o risco de quebrar a cara, pois a vida sempre reserva boas surpresas. Pessoas incríveis aparecerão e deixarão uma nostalgia, que me fará rir sozinha. Devo ter cuidado para não correr o risco de envelhecer dizendo "Ah, se eu tivesse feito...". 
Sexo sempre, com uma pitada de consciência e responsabilidade. Não se preocupar com o que as pessoas pensam e falam sobre a minha pessoa, afinal elas vão falar mesmo de qualquer jeito, além de inventarem detalhes desnecessários. 
Os manuais falam que devo casar com alguém parecido comigo, segundo ele, isso seria a maior chatisse... se eu for um dia casar, que seja por qualquer outra coisa, menos por segurança, carinho ou status. Nesse caso eu devo pedir ajudar ao meu olfato, rs... que sempre diz a verdade quando o assunto é "o outro". Então aí vai um conselho: acredite no nariz e desconfie da visão, rsrs.
E sempre, sempre... lembre-se dos seus amigos, e respeite e ame seus pais.