Maturidade

No ínterim de um ano, a partir de outubro de 2015, decidi começar o meu ano sabático. Procurei o autoconhecimento e me aproximar mais da espiritualidade.
Como estudante e apaixonada por História, imaturamente deixe-me levar por leituras e influências pueris despertando em mim  uma tola rebeldia e incredulidade, cheia de convicções fúteis e demasiada dependência de emoções.

Não faz muito tempo, há quase um ano, comecei a perceber o sentido das coisas. Pude perceber que tudo isso que nos rodeia é uma grande ilusão. Que quanto mais nos tornamos escravos do consumo e do materialismo, menos temos. Não se pode comprar a paz de espírito, não se pode comprar a alegria, não se pode comprar o bem-estar.

A humanidade está doente. Sim, leio e ouço muito esse mantra e até já cheguei a pensar que a humanidade não tinha jeito, várias vezes perdi fé na humanidade... Mas lá no fundo de mim sempre existiu uma chama de esperança (apesar de acreditar por muito tempo que a esperança era a primeira que matava e não a última que morria), baseada no princípio de que nós temos a solução para todos os problemas, o grande empecilho é sair da zona de conforto, o que não é nada agradável.

Esse mergulho pra dentro de mim, que ainda continua, fez com que eu mudasse completamente a forma de enxergar o mundo, e olha... Ainda preciso mudar muito!!

Sempre fui egoísta, orgulhosa, rebelde, teimosa, temperamental, opiniosa... Mas ao meu favor, sempre pulsou um coração mole, sensível. Pouca gente sabe, mas nós temos um grande poder, o poder da mudança, e esse poder esta dentro de nós.
Nesses poucos meses estou aprendendo o quanto é pequeno bater boca sobre política, o quanto é humilhante impor a presença de alguém, o quanto é triste ser grosseiro e mal educado com alguém.

Nós podemos mudar, é só uma questão de educar os sentidos.
Não é uma tarefa fácil, principalmente em uma sociedade competitiva e preconceituosa. O foco aqui não é se tornar um santo, o direcionamento é a paz de espírito, é estar feliz consigo mesmo, ser alegre e contagiar as pessoas com bem estar e bom humor... Sem dependências físicas, químicas e emocionais. Uma simples gentileza básica, como desejar um bom dia, dar um sorriso, um abraço carinhoso... Isso já faz bem pra alma da gente e pro outro... Desarma! É um exercício diário, ter como propósito espalhar candura e paz, é um exercício diário e muito difícil, deixar fluir, deixar que os ciclos se fechem para dar oportunidade à novidade. É muito difícil, mas é preciso. Estejamos atentos aos sinais.

A maturidade esta relacionada a um estado de força e moderação que nos leva a comportamentos firmes e equilibrados.

A maturidade começa a se manifestar quando sentimos que nos preocupamos mais com os outros do que com nós mesmos. 'Albert Einstein'

Filon de Alexandria

Em Alexandria existia uma escola iniciática cujos fundamentos eram altamente espirituais. Os fundadores daquela fraternidade era homens de fina linhagem (...) movidos pelos mais puros sentimentos de amor. A fraternidade Kobda estava localizada na região do Egito e da Mesopotâmia, através da notável personalidade de Filon de Alexandria, essa escola pôde dar uma amostra da sua sensibilidade divina.

Filon de Alexandria foi um filósofo judeu-helenista, ele fez uma interpretação do Antigo Testamento utilizando elementos da filosofia de Platão, constatando que os textos bíblicos passavam uma mensagem que ia além do simples significado textual, ele viu na Bíblia a doutrina da existência de Deus.

Deus transcende tudo que é conhecido pelo homem, ele vai além dos limites da experiência material. O objetivo maior do humano seria voltar a se unir a Deus que é perfeito e do qual nós não temos a capacidade de compreensão. Somente haverá uma ligação com Deus quando o homem libertar sua ligação com o corpo, com o material.

Para Filon de Alexandria o homem pode levar sua vida de três formas:
A forma mais básica e inferior é quando o homem esta ligado ao corpo como extensão física, material. A segunda forma se caracteriza quando o homem utiliza a razão para direcionar sua vida. E finalmente, a terceira forma acontece quando a alma e o intelecto estão ligados ao espírito divino, aí temos a última e superior forma de vida.

Fonte: Livro Maria de Nazaré, Miramez/João Nunes Maia
           www.filosofia.com.br

Um esclarecimento necessário

"A vida humana é uma constante experiência de travessia. Estamos em êxodos contínuos, em processos de deslocamentos intermináveis, porque, enquanto estivermos vivos, seremos convidados para o movimento que nos proporciona a superação de estágios, condições e atitudes. O tempo se encarrega de nos deslocar entre essas fases. Faz parte do estatuto humano sofrer essa constante transição. Nunca ficaremos prontos. A morte nos surpreenderá e ainda não estaremos terminados."

~ Quem me roubou de mim?
Pe. Fábio de Melo

~Leo Fressato

O amor acontece em pequenos detalhes, em pequenos entalhes. O amor é esculpido à mão, ele é feito com cuidado, pelas mão do artesão. Por isso nenhum amor é igual. Amor não é, nem de longe, um produto industrial. Portanto pare logo de buscar mesmos lotes do amor, vê se faz por favor, e por favor não leve mal. Amor é igual uma flor, amor é o dia mais divertido ...


Simplicidade

O amor esta inversamente proporcional ao apego material, ele esta afeiçoado ao ser imortal que o habita temporariamente. Aí esta o amor: nesse sentimento sem ilusões, sem fantasias, sem paixão cega o lugar que reside o verdadeiro e eterno amor.

Falhamos ao não observar as grandezas de pequenos hábitos, simples e gentis. Valorizar somente a aparência exterior não é amor, é paixão ilusória. O amor verdadeiro observa, além da roupagem física que se desgasta e morre, a alma que se aperfeiçoa, para prosseguir vivendo.

As flores, por mais belas que sejam, um dia murcham e morrem. Mas o seu perfume permanece no ar e no olfato daqueles que o souberam guardar em frascos adequados. O corpo humano, por mais belo e cheio de vida que seja, um dia envelhece e morre, mas as virtudes do Espírito que dele se liberta, continuam vivas nos sentimentos daqueles que as souberam apreciar e preservar, na ânfora do coração.

+Mensagem Espírita 

Autoconhecimento


Como podemos destruir o mundo e achar que estamos maduros e autossuficientes apenas por ler livros e artigos? Como alguém que maltrata um animal acredita estar no caminho da evolução apenas por frequentar um templo e orar a Deus? Como podemos poluir um rio e chegar em casa e ter a consciência de acender uma vela ao santo e pedir proteção?

Trata-se de um organismo vivo, tudo esta ligado. Não existe fora. E se esquecemos de amar o próximo, de perdoar, cuidar da natureza, se deixamos de fazer nossa parte em deixar o mundo um lugar melhor pra se viver, de nada adianta buscar o autoconhecimento.

Discernimento dos sábios, sempre!

O Deus de Baruch Spinoza

Este texto foi atribuido à Baruch Spinoza, filósofo holandês que viveu no século XVII, chama-se: "Deus segundo Spinoza" ou "Deus Falando com você".


"Para de ficar rezando e batendo no peito. 
Saias pelo mundo, desfrutes de tua vida. 
Eu quero que gozes, cantes, te divirtas e que desfrutes de tudo o que Eu fiz para ti. Para de ir a estes templos lúgubres, obscuros e frios que tu mesmo construíste e que acreditas ser a minha casa. Minha casa está nas montanhas, nos bosques, nos rios, nas praias. Aí é onde eu vivo e expresso o meu amor por ti.

Para de me culpar pela tua vida miserável; eu nunca te disse que eras um pecador. Para de ficar lendo supostas escrituras sagradas que nada têm a ver comigo. Se não podes me ler num amanhecer, numa paisagem, no olhar dos teus amigos, nos olhos de teu filhinho... 
Não me encontrarás em nenhum livro...

Para de tanto ter medo de mim. Eu não te julgo, nem te critico, nem me irrito, nem me incomodo, nem te castigo. Eu sou puro amor. Para de me pedir perdão. Não há nada a perdoar. Se Eu te fiz... Eu te enchi de paixões, de limitações, de prazeres, de sentimentos, de necessidades, de incoerências, de livre-arbítrio. 

Como posso te castigar por seres como és, se sou Eu quem te fez? 
Crês que eu poderia criar um lugar para queimar a todos os meus filhos que não se comportam bem pelo resto da eternidade? Que tipo de Deus pode fazer isso? Esquece qualquer tipo de mandamento, são artimanhas para te manipular, para te controlar, que só geram culpa em ti. 

Respeita o teu próximo e não faças aos outros o que não queiras para ti. 
A única coisa que te peço é que prestes atenção à tua vida; 
que teu estado de alerta seja o teu guia. 
Tu és absolutamente livre para fazer da tua vida um céu ou um inferno.

Para de crer em mim . . . Crer é supor, imaginar. Eu não quero que acredites em mim. Quero que me sintas em ti quando beijas tua amada, quando agasalhas tua filhinha, quando acaricias teu cachorro, quando tomas banho de mar. Para de louvar-me! Que tipo de Deus ególatra tu acreditas que Eu seja? Tu te sentes grato? Demonstra-o cuidando de ti, da tua saúde, das tuas relações, do mundo. 
Expressa tua alegria! Esse é o jeito de me louvar.

Para de complicar as coisas e de repetir como papagaio o que te ensinaram sobre mim. Não me procures fora! Não me acharás. Procura-me dentro... Aí é que estou: dentro de ti."