"Possues o brilho da paz bendita..."

Eu começo a te sentir diferente, algo em ti passa a me chamar atenção, te olho agora com outros olhos, o que passava antes despercebido agora faz toda a diferença. O bem estar que eu sempre procurei está bem aqui, eu fico feliz pela demora ter findado hoje e um pouco triste por não ter sido antes. Talvez os meus antigos amores serviram como uma linha de condução pra que eu encontrasse e sentisse esse prazer novo, que há tanto tempo eu desejava e que nem imaginei que ia reconhecê-lo em ti. Talvez, essa paixão tenha nascido do sentimento de pertencimento latente, que agora ressoa. Como se fosse Zéfiro, teu sopro envolveu meus cabelos, rosto e corpo, uma brisa acochegante que poderia me ninar. Eu nem penso mais nos confins do mundo, eu quero é descobrir teus segredos, estar contigo quando o céu capturar a fuga do sol deixando seus últimos vestigios nos oferecendo uma visão paradisíaca, te fitar quando começar a despontar na imensidão azul o mesmo sol, na sua soberba, nos brindando o dia com um lindo espetáculo de raios. Diante dessa sensação, eu fico a pensar onde eu estava esse tempo todo, afinal, você não me interessava nem um pouco! Ah, provinciana Parnaíba!